Em janeiro a expectativa do setor de comércio eletrônico era crescer cerca de 10%, mas surpreendentemente superou essa marca e cresceu 25% no comparativo anual.

De acordo com dados da agência de SEO Conversion, dos 15 setores analisados em janeiro, 10 tiveram crescimento acima de 20% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Alguns setores que eram exclusivamente físicos, como Farmácia e Saúde, têm apresentado bons resultados no digital e seguem com crescimento acelerado em 2021.

Do ponto de vista da participação de mercado, alguns sites conquistaram mais espaço no período mais intenso da pandemia de Covid-19, por exemplo: Épocas Cosméticos (+74%), Amazon Brasil (+30%), Riachuelo (+45%), Shopee (14%), entre outros.

Desempenho do e-commerce em 2020

Em 2020 os sites de e-commerce obtiveram bons resultados com o aumento dos acessos. Relatórios mostram que houve mais de 19,39 bilhões de visitas, o que gerou mais compras. A migração dos usuários de lojas físicas para as lojas online também contribuiu para esse aumento.

Dentre os 15 setores analisados pela Agência Conversion, alguns demonstraram um aumento nas visitas do início ao fim do ano. São eles: Farmácia e Saúde, Pet, Comidas e Bebidas e Moda e Acessórios.

O mês de maio de 2020 foi atípico para o setor de Varejo, já que deteve 52% das visitas totais do e-commerce, seguido por Moda e Acessórios que ampliou sua participação de mercado em 36%.

Visão geral do comércio eletrônico em Janeiro/2021

Em janeiro de 2021, o comércio eletrônico registrou 1,77 bilhões de acessos, sendo que os dispositivos móveis foram responsáveis por 66,5% dessas visitas. O canal de busca que mais contribuiu para o aumento do tráfego foi orgânico, 59%.

Isso demonstra a importância de otimizar um site de e-commerce para melhorar a posição nos mecanismos de busca da Internet. Já a participação dos canais de busca pagos foi de 32%.

O setor de cosméticos atingiu 769,44 milhões de acessos nos últimos 12 meses. O setor cresceu +16,37% em relação ao início da pandemia. A busca por perfumes e produtos para os cuidados com a pele deve continuar em alta em 2021.

Conclusão

Houve mudanças significativas no comportamento do consumidor em função da pandemia da Covid-19. Pessoas que antes tinham preferência por visitar lojas físicas para fazer compras, se viram obrigadas a recorrer às lojas virtuais para atender suas necessidades de consumo.

Isso intensificou os acessos e aumentou a receita de muitos e-commerces. Essa tendência deve continuar no pós-pandemia. Outro ponto importante foi o aumento de compras através de smartphones.

As empresas de comércio eletrônico devem dar uma atenção especial para o tráfego que vem de dispositivos móveis já que esse canal foi responsável pela maioria dos acessos em lojas virtuais.

Além disso, é importante se ater aos dados relacionados a fontes de tráfego, como o canal de busca orgânico e pago, tornando ainda mais importantes a presença na primeira página do Google e as ações de SEO.

A expectativa para o mês de fevereiro é de que haja um recuo natural do crescimento comparado a janeiro, mas com aumento ano a ano. Para os próximos meses, a previsão é de um crescimento anual e estabilização dos acessos mensais.