Confira o crescimento do varejo brasileiro em 2021

A pandemia da Covid-19 impactou diversos setores da economia brasileira. O ano de 2020 foi marcado pelo fechamento de centenas de estabelecimentos comerciais, sendo que muitos negócios não conseguiram superar a crise.

Além disso, houve um aumento no desemprego, o PIB caiu 4,1% e ainda foi identificada uma alta nos preços. No entanto, apesar dessa crise na economia, um setor que obteve bons resultados foi o de varejo, principalmente o segmento restrito.

O setor registrou um aumento de 1,2% em volume de vendas e 6% em receita em comparação com o ano anterior, que antecedeu a pandemia. O varejo restrito inclui produtos alimentícios e bebidas, artigos médicos e farmacêuticos, fumo, perfumaria e cosméticos, entre outros.

A seguir, confira mais dados do estudo da NielsenIQ, empresa de pesquisa de mercado.

Varejo brasileiro segue crescendo em 2021

Em meados de março de 2020, a pandemia da Covid-19 surgiu com mais força no Brasil. Essa crise sanitária gerou mudanças significativas no comportamento do consumidor. De acordo com a NielsenIQ, aumentou a procura por alimentos, produtos de higiene, limpeza e farmácia.

Diante da necessidade de isolamento social para evitar o aumento do contágio, houve uma grande redução na circulação de clientes nas lojas porque o consumidor decidiu sair menos vezes de casa para fazer compras.

Entretanto, ao comparar o valor total das vendas de 2021, com o mesmo período do ano passado, é possível perceber que o varejo brasileiro cresceu. Assim sendo, foi constatado que o percentual semanal de evolução das vendas tem registrado marcas positivas.

Bom momento para o varejo de cidades pequenas

A pandemia levou muitas empresas a aderir ao trabalho remoto, o que levou muitos funcionários que trabalhavam diariamente nos grandes centros a ficarem mais tempo em casa.

Da mesma forma, estudantes do ensino presencial passaram a estudar à distância. Assim sendo, aumentou as compras no varejo regional.

Essa mudança de comportamento gerou benefícios para muitos varejistas de cidades pequenas, já que as pessoas que passaram a trabalhar em home office ou a estudar em casa, optaram por fazer compras em sua área de moradia para evitar centros comerciais de grande aglomeração.

Como resultado, foi observado um aumento nas vendas de cidades pequenas e médias, em comparação com os grandes centros. Sem dúvida, os varejistas regionais lucraram com esse fenômeno, tanto que foram responsáveis por mais de 63% do faturamento do varejo no Brasil.

Navegação móvel ganha força nas compras online

O estudo apresenta outro dado importante que se refere às compras realizadas por meio de dispositivos móveis no comércio eletrônico. Ano passado, as lojas virtuais faturaram mais com as compras realizadas através do celular, do que com as compras feitas pelo desktop.

Assim, o meio mobile registrou 52,5% das compras online. Isso significou 10,7 pontos percentuais de crescimento em comparação com 2019. Por fim, no apanhado geral de 2020, o e-commerce no Brasil cresceu 41%, superando R$ 87 bilhões em faturamento. Agora, a expectativa é que em 2021 o varejo brasileiro supere esses números.

Deixe um comentário